Avaliação da taxa de oclusão da veia safena magna, submetida a termoablação com laser endovenoso 1470 NM, utilizando 7 watts de potência.

A terapia de ablação térmica utilizando um laser específico para água, 1470-nm, poderia causar ablação venosa com densidades de energia menores e com menos efeitos colaterais.

Objetivos

Determinar a taxa de obliteração da veia safena magna submetida a termoablação com Laser 1470 nm utilizando 7 Watts de potência e avaliar os resultados clínicos e complicações.

Métodos

Dezenove pacientes (31 VSM) foram submetidos a termoablação na coxa e acompanhados através de ecodoppler, avaliação clínica utilizando o escore de severidade clinica venosa (VCSS) e avaliação de complicações relacionadas ao procedimento entre 3-5 dias, 30 e 180 dias de pós-operatório.

Demarcação das varizes
Passagem da fibra Passagem da fibra
Infiltração do espaço safeno com soro fisiológico Infiltração do espaço safeno com soro fisiológico
Momento da termoablação Momento da termoablação

Resultados

A média de idade dos pacientes foi de 46 anos; 17 pacientes eram do sexo feminino (89,47%). A densidade de energia linear endovenosa média (J/cm) – LEED média foi de 33,53 J/cm. A taxa de obliteração da VSM tratada foi de 93,5% no pós-operatório imediato, 100% de 3-5 dias e 30 dias após o tratamento e de 87,1% em 180 dias. Houve uma redução significativa do VCSS em todos os momentos de avaliação.

Conclusões

Os dados desse estudo apoiam a possibilidade de que, através da utilização de baixa densidade de energia a incidência de complicações pode ser reduzida sem afetar significativamente os resultados clínicos em todo o grupo estudado. No entanto, isto ocorre às custas da diminuição da eficácia em termos de taxa de obliteração da VSM e estudos com maior tempo de seguimento se fazem necessários para demonstrar se as taxas de obliteração vão diminuir após 1 ano ou mais de acompanhamento.

Referências bibliográficas

Pannier F, Rabe E, Maurins U. First results with a new 1470-nm diode laser for endovenous ablation of incompetent saphenous veins. Phlebology. 2009;24:26-30

Almeida J, Mackay E, Javier J, Mauriello J, Raines J. Saphenous laser ablation at 1470 nm targets the vein wall, not blood. Vasc Endovascular Surg. 2009;43:467- 72.

Proebstle TM, Gül D, Lehr HA, Kargl A, Knop J. Infrequent early recanalization of greater saphenous vein after endovenous laser treatment. J Vasc Surg 2003;38:511-6.

Timperman PE. Prospective evaluation of higher energy great saphenous vein endovenous laser treatment. J Vasc Interv Radiol 2005;16:791-4.

Park JA, Park SW, Chang IS, et al. The 1,470-nm bare-fiber diode laser ablation of the great saphenous vein and small saphenous vein at 1-year follow-up using 8- 12 W and a mean linear endovenous energy density of 72 J/cm. J Vasc Interv Radiol. 2014;25:1795-1800.

Dados dos autores

Araujo, W.B.; Timi, J.R.R.; Nejm, C.S.; Caron, F.C.; Erzinger, F.L.; Goulart, P.A.

Serviço de Cirurgia Vascular, Endovascular e Ecografia Vascular - Instituto da circulação.

Informações adicionais

As informações contidas nesta página foram apresentadas no seguinte evento:

410º. Congresso Brasileiro de Angiologia e Cirurgia Vascular - Rio - 2015.

Certificações / Titulos

Passe o mouse para ampliar

Destaques

Uma agulha é introduzida na veia comprometida guiada por imagens de ecografia vascular e realizamos a injeção da espuma esclerosante.

Espuma ecoguiada

Consiste no disparo do Laser através da pele promovendo a destruição da varicosidade pela dissipação de calor intenso, localizado e seletivo.

laser transdérmico

O tecido alvo reage com a energia da luz, O procedimento é minimamente invasivo e não requer anestesia geral.

laser endovenoso

É um tratamento para o refluxo venoso superficial, uma alternativa menos invasiva a cirurgia tradicional.

radiofreqüência

Importante:

As informações contidas neste site têm caráter informativo e educacional. De nenhuma forma devem ser utilizadas para auto-diagnóstico, auto-tratamento e auto-medicação. Quando houver dúvidas, um médico deverá ser consultado. Somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA.

Responsável Técnico: Dr. Walter Jr. Boim Araujo - CRM: 19850-PR;

Especialista em Cirurgia Vascular (RQE nº 14638); Ecografia Vascular com Doppler (RQE nº 333); Angiorradiologia e Cirurgia Endovascular (RQE nº 1489).

Desenvolvido por: Paulo Henrique